27 de maio de 2011

Minha rendição



Pressupõem e menospreza a beleza de ser amada,
distraindo assim a percepção da realidade.
Consegue ser doce e cruel ao mesmo tempo,
ainda mais quando se dispõe ao relento
e retoma a insegurança dos sentimentos,
mesmo com a contravenção dos ideais.
Diz que não ama nunca, mas não esquece jamais,
mesmo assim recupera supostamente o meu olhar
e me faz querer enxergar a vida ao lado teu.
Não se preocupe em roubar minha atenção,
já que a minha intenção é sempre admira-la
e é por este visual exuberante que garante
toda a atenção daqueles que a vêem passar.
Eu te suplico, de joelhos se preciso for:
não humilhe ou desdenhe o meu amor,
pois e ele é único e tão somente teu!



"O horizonte é apenas uma linha imaginária, que recua quando você se aproxima."

(Filme O Sorriso de Monalisa)

2 comentários:

Anônimo disse...

É anjo poeta, cada dia mais lindos os poemas teus, a mim em dados instantes resta ler e apreciar a grandeza das palavras proferidas.
Um favor peço transforme esse blog em um livro, nunca vi poemas tão lindos reunidos. Meus elogios não são palavras soltas, apenas o desejo de ver um escritor que reune com maestria as palavras que encantam os olhos de quem as lê.
abçs
Da palhacinha distante, com palavras soltas presas na garganta,e que por vezes ainda admira os mais belos poemas escritos. Teu blog cada dia mais lindo.
Fique com Deus

Thaís Alves disse...

Lindíssimo texto e o trecho retirado do filme foi perfeito. Beijos