10 de janeiro de 2011

Alma lavada


A chuva que escorre na vidraça
distorce o temporal,
sem vento só resta a calmaria.

Com o fim da chuva
só restam as poças d'água
que acumulam verdades,
que roubam distancias
e distribuem pequenos desejos.

Sem o som dos pingos
que gotejam na janela.

Não há moça dormindo tão bela,
não há sonhos, nem pensamentos.

E os raios que iluminam a silhueta,
do teu corpo quase desnudo,
dizem tudo...

...tudo o que eu queria falar.

7 comentários:

Sandro Ataliba disse...

Como eu costumo dizer: nem sempre precisamos falar tudo aquilo que queremos dizer.
Belo texto.
Abraço!

Nick disse...

Existem imagens, fantasias, que dizem muito mais do que palavras. Muito legal.

Diandra disse...

Oiieeee, muitoooooooo lindo, prefiro tbm que os olhos e as expressões façam o resto...bjo querido

Juliana disse...

As vezes o silencio, o olhar.. os gestos.. dizem tudo.

Muito bom o post! meeeeesmo!

Diandra disse...

Oiie meu anjo, tem um selinho com muito carinho que fiz para vc, espero que goste ok?

Passa lá pegar...bjooo

http://bydih.blogspot.com/

Arianne Carla disse...

Selo pra você:
http://ariannecarla.blogspot.com/p/nota-da-blogueira.html

Sandro Ataliba disse...

Fala rapaz!

Agradeci o lance dos selos, e indiquei seu blog numa nova seção do meu, chamada "Siga na Segunda".

Depois dá uma olhada: http://esquizofreneticoblues.blogspot.com/2011/01/siga-na-segunda.html

Abraço!