7 de junho de 2010

Paralelo...


Os sinos que antes repousavam

por entre aquelas pilastras,

rasgam o silêncio.
A rotina, assim como as pessoas,

voltam a preencher largos vazios

por entre as ruas.
Tudo parece voltar à normalidade.
É neste intervalo

entre a loucura e a sanidade

que posso reconhecer o quanto

fazem falta os entes queridos,

estes que já não entendem

tamanha demonstração de carinho.
Por fim não tenho muito tempo,

logo os sinos tocarão mais uma vez

transformando minha vida em solidão.
Então, volta o frio,

as folhas secas ao chão,

a obscuridade que se encontra

por entre as ruas.
Coloco as mãos no bolso

e sigo em direção do meu refugio...

2 comentários:

Divagações de uma Tagarela disse...

Quando bate o vazio nada como ter um canto ou refúgio para voltar...
Linda suas palavras!

beijinhos

Divagações de uma Tagarela disse...

Obrigada por me seguir.
Virei visitá-lo sempre.

Beijinhos