27 de agosto de 2009

Poetas Desvairados


Poeta desvairado

escreve loucamente

um poema de ilusão

para um amor distante,

distante da realidade,

além de um infinito,

imortal, contruido

sobre um pedestal

no qual qualquer humano

se torna irreal, imortal,

ou um errante poeta

que errou ao amar.


Affonso S. Paiz

2 comentários:

Vanessa Dantas disse...

Românticos são poucos
Românticos são loucos
Desvairados
Que querem ser o outro
Que pensam que o outro
É o paraíso...

Românticos são lindos
Românticos são limpos
E pirados
Que choram com baladas
Que amam sem vergonha
E sem juízo...

São tipos populares
Que vivem pelos bares
E mesmo certos
Vão pedir perdão
Que passam a noite em claro
Conhecem o gosto raro
De amar sem medo
De outra desilusão...

Romântico
É uma espécie em extinção!
Romântico
É uma espécie em extinção!

Românticos são poucos
Românticos são loucos
Como eu!
Românticos são loucos
Românticos são poucos
Como eu! Como eu! (Romanticos - Vander Lee)

Olhei pra esse texto lindo e lembrei dessa musica.

Fica em paz, anjo =*

Jasanf disse...

Belo texto cuja imagem é construída de um poeta desvairado, arlequinal, meticuloso com as palavras. Parabéns!